Quando uma mulher jovem decide emigrar

Quando emigrei, de Portugal para a Bulgária em 2011, tinha 21 anos, uma licenciatura concluída e poucas expetativas quanto ao futuro. Podia dizer que foi a crise financeira de 2008 que me levou a sair do país, mas estaria a mentir.

Porquê sair?

O desemprego foi apenas um dos motivos que me levou a partir, pois são vários os fatores que nos levam em busca de novas oportunidades de vida para outros lugares. No meu caso, considerando-me uma viajante, concordo com este texto escrito por Agustina Bessa-Luís no seu livro ”As Estações da Vida”:

Ficaríamos surpreendidos, ao verificar que 80% ou mais dos viajantes não têm qualquer motivo para o fazer, pelo menos qualquer motivo profundo. Não é a fome que os impele a tomar um comboio ou um avião; é mais, e acima de tudo, um desconforto psíquico.”

AGUSTINA BESSA-LUÍS NO SEU LIVRO ”AS ESTAÇÕES DA VIDA”

Antes de sair de Portugal e já decidida a emigrar para a Bulgária, foram várias as questões que me colocaram:

  • ➩ Porquê sair?
  • ➩ Porquê trabalhar na Bulgária?
  • ➩ Porquê para tão longe?
  • Porque é que vais sozinha?

Lembro-me de ter sempre respondido a cada uma destas perguntas de forma elaborada e razoável. Se fosse hoje, responderia apenas “E porque não?” Apesar de todas estas questões serem convenientes, nem todas as pessoas o são, e por isso nem todos merecem uma justificação detalhada do que a nossa alma exige e procura viver.

Imagen diseñada por Javiera, puedes encontrar todos sus trabajos en parkerdesign.cl

Com a idade também aprendemos isso. No meu caso tive o apoio da família e dos amigos nesta tomada de decisão, acredito que essencialmente por duas razões:

  • ➩ Uma, o facto de me terem sempre ouvido dizer que “um dia queria ir viver para o estrangeiro” .
  • ➩ E a outra por estarmos numa enorme e reconhecida crise económica que não ia, e não melhorou tão cedo.

No fundo lá no fundo, o que a minha alma queria era o que a Agustina Bessa-Luís escreve sobre o que os viajantes procuram: “uma excitação sensorial que o mundo familiar ou vizinho não pode oferecer.”


Uma mulher em busca de uma nova vida

De um modo geral, a ideia de um homem partir em busca de uma nova vida e à descoberta é mais facilmente aceite do que se for uma mulher. Afinal, o homem, historicamente, sempre teve carta verde para explorar (quase) tudo o que quisesse e a mulher era aquela que tinha de pedir autorização ou casar-se ou ser rica, e mesmo assim ter a sua liberdade de ação condicionada ou recusada. É uma sorte eu viver no presente século e num país como Portugal, de onde pude sair livremente, sozinha e sem ter que pedir autorização.

Viajei para Sófia, a capital da Bulgária…

No mês de Novembro, quando saí do aeroporto as minhas mãos congelaram, já havia neve. A Bulgária ainda é um dos países que passa vividamente pelas quatro estações do ano, saudades de um Outono e de uma Primavera…. estou a ficar nostálgica.

Mas adiante, como qualquer estrangeiro a viver num país novo, as primeiras semanas são passadas a sair muitas vezes, a absorver diferenças culturais e álcool, a conhecer várias pessoas e a responder a muitos inquéritos. De repente, as pessoas querem saber quem nós somos, de onde é que vimos, onde é que trabalhamos; um estrangeiro recém-chegado é uma espécie de celebridade.

⫸ No início explicamos os motivos da nossa decisão e como fomos parar àquele país, toda uma versão, que às vezes gera ainda mais questões. À medida que o tempo vai passando, a nossa explicação vai ficando mais reduzida, até a resposta mais curta e mais fácil se tornar “Crise económica” – xeque-mate. ⫷

Ninguém questiona outra pessoa por deixar o seu país em busca de melhores condições financeiras, contrariamente a quem saia em busca de melhores condições emocionais e mentais, que é por norma considerado mais uma fuga do que uma descoberta. Às vezes até nós mesmos chegamos a acreditar nisso, mas há uma diferença entre fugir e procurar por melhor.  Ainda assim a resposta “Porque não” continua a ser a minha favorita.


Mas sozinha?

Nos primeiros dias de trabalho um colega perguntou-me se eu era casada, era a primeira vez que alguém me perguntava isto. Até aí era vista sempre mais como uma miúda, também pela minha aparência, pois davam-me sempre dois ou três anos a menos, e agora de repente, alguém achava que eu podia ser casada.

Ri-me, respondi que não e perguntei:

  • ➩ Porquê?
  • ➩ Porque me tinha mudado para a Bulgária para trabalhar.

A verdade é que ali as pessoas não viam a minha idade, viram o que eu ainda não tinha visto, uma jovem adulta emigrante. E foi realmente ali que eu aprendi, cresci e amadureci. Independentemente de me deparar com perguntas tais como “Mas sozinha?”

⫸ Mesmo quando vinha de férias a Portugal algumas pessoas me perguntavam “Mas estás lá sozinha?” Ao que eu respondia “Não, tenho colegas de casa.” O que obriga as pessoas a perguntarem em detalhe “Está bem, mas sem um namorado ou marido”. ⫷

Sei que qualquer pessoa que emigre sozinha enfrenta este tipo de questões, incluíndo os homens, pois no geral, parece que a sociedade ainda tem problemas em ver as pessoas “solteiras”, que identificam como “sozinhas”, esquecendo-se que os dois conceitos não estão diretamente relacionados

Ou tem um bom salário ou tem um companheiro/a

Outra questão que geralmente também desperta a curiosidade da nossa sociedade é o fator financeiro. Algumas pessoas, principalmente do país de origem, perguntam aos emigrantes qual o tipo de trabalho que fazem, o que em alguns casos é difícil responder devido às novas profissões que hoje existem, (já nem todos os portugueses emigram para fazer limpezas e trabalhar na construção civil) e qual é o salário.

Sei que há muitas pessoas acham que esta última pergunta é normal, mas eu não sou uma dessas pessoas. Ou seja, o emigrante deve corresponder pelo menos a uma destas categorias, ou tem um companheiro/a ou tem um bom salário. Se não corresponder a nenhuma destas opções o emigrante é… não sei, para mim é perfeitamente normal. Estas perguntas surgem principalmente quando se emigra para países menos desenvolvidos que os de origem, como por exemplo a Bulgária.


Regressar a Portugal quase 4 anos depois

Quando chegou a altura de regressar a Portugal e me demiti do meu emprego, algumas  pessoas com quem trabalhava perguntaram-me sobre o motivo de regresso:

  • ➩ Um homem perguntou-me se eu ía casar;
  • ➩ Outro homem perguntou-me se tinha engravidado;
  • ➩ Uma mulher questionou-me se tinha recebido uma melhor proposta de emprego.

Quando foi a hora de mudar de país novamente, quase quatro anos depois, as mesmas questões surgiram, exceto a desta mulher. Vários anos passaram, eu continuo solteira e pobre, mas bem. Felicidade e bem-estar é uma daquelas questões que raramente nos colocam, e que, poucas vezes me fizeram no percurso desta minha vida de descoberta e auto-exploração.

A liberdade de viver a minha vida do meu jeito, é um direito do qual gosto de usufruir. 

Alexandra Rodrigues, quando uma mulher jovem decide emigrar

Portanto, vivo num país livre do qual posso sair e emigrar sem pedir autorização (dentro da burocracia e da legalidade), não necessitando de ser rica nem de estar casada, mas no percurso da minha jornada, sou ocasionalmente questionada sobre o meu estatuto financeiro e o meu estado civil.

Continuarei a responder a todo o tipo de questões sem qualquer problema, porque a liberdade de viver a minha vida do meu jeito, é um direito do qual gosto de usufruir

Últimas entradas de Sen Enderezo

Leyendas y mitos de la fertilidad

Lee las leyendas de la fertilidad más famosas del España y los ritos que deben seguir las mujeres que desean tener hijos. Porque hasta las reinas esperaban concebir un heredero.

Leyendas de mujeres del Oeste americano

Historias de mujeres del Viejo Oeste americano. Todas fuera del molde. Bandidas, empresarias y criminales que vivieron según sus normas. Las leyendas de vaqueros también tienen presencia femenina.

Pepa a Loba y la leyenda de la bandolera

La Robin Hood gallega se llama Pepa a Loba. Bandolera, hija de madre soltera y una de las leyendas más famosas en Galicia. El mito dice que la cuadrilla de Pepa a Loba robaba a los ricos para dárselo a los pobres. En Sen Enderezo te contamos toda su historia.

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios .

A %d blogueros les gusta esto: